13 mochilas

Passando pelo meu feed do facebook, me deparei com esse artigo do site Mochila Brasil, que remonta ao artigo original do Backpaker (sim, nós bloggeiros fazemos essas de vez em quando de colocar o artigo do artigo), com as 13 melhores mochilas de 2017.

Na mesma hora me lembrei do meu post aqui da série Dicas de Trilha, sobre mochilas, o Dicas de trilha – mochilas e o que levar e achei que valia a pena incluir os links originais como reflexos.

Para quem quiser ler o original, em inglês, da Backpakers, está aqui:  The 13 Best Backpacks Of 2017 e o com informações gerais em português, da Mochila Brasil está aqui: As 13 melhores mochilas de 2017 .

O site do Mochila Brasil disponibiliza os vídeos (com áudio em inglês e em outros idiomas, mas dá pra ver bem os detalhes internos e de montagem das mochilas) com os detalhes sobre as mochilas em português. Já o Backpakers foca mais em texto (em inglês). As informações detalhadas são bem técnicas e o artigo é focado nas novidades. Para os mochileiros experientes e aficionados é uma boa oportunidade de avaliar conteúdo para planejar a próxima troca de mochila, embora eu saiba que os mochileiros de carteirinha tendem a ser um tanto quanto fieis às suas já surradas companheiras!

Para quem está pensando em começar a mochilar agora, ver os vídeos também é uma boa, para mostrar o que existe por aí, e as inúmeras vantagens e diferenças.

Acho importante ressaltar que esses são modelos de ponta, afinal o título já diz, As 13 melhores de 2017! Então se você não quer fazer um investimento tão alto, uma opção é ver os vídeos, conhecer as diferenças, e depois pesquisar em modelos anteriores as similitudes e diferenças, e consultar diferentes preços e marcas para produtos similares.

Eu sou sempre a favor do consumo o mais consciente possível, e pra isso é necessário pesquisar bastante antes de comprar.

Espero ter ajudado ainda mais um pouco e sempre que possível, tiro dúvidas nos comentários! Aproveite  seu mochilão! 🙂

Dicas de trilha – mochilas e o que levar

Ainda na vibe da série Dicas de trilha ( Calçados para trilha , Dicas de trilha – vestuário , Dicas de trilha – alimentação ) hoje vou falar um pouco sobre mochilas e o que levar nas viagens e trilhas. Para entender porque eu insisto tanto em viajar com mochilas e não malas, leia mais sobre nosso estilo de viagem e vida em Passagens aéreas e custos de viagem e em Sonhos e aprendizado .

O equipamento mais importante é a mochila, afinal o que seria de nós, mochileiros, sem ela?! Já tive vários tipos de mochila, de vários tamanhos, preços e qualidades. Depois de muito experimentar, hoje em dia sugiro 3 bagagens que são tudo que um mochileiro precisa: A mochila de carga (45 a 70 Litros), a mochila de passeio/trilha (25 a 40 Litros) e uma bolsa tipo carteiro (10 a 20 litros). Para as mochilas cargueiro e de trilha/passeio, tenha uma capa de chuva impermeável de mochila. São baratas nas lojas esportivas e fazem muita diferença. Caso vá levar eletrônicos para uma viagem camping de muitos dias, convém ter também um saco estanque, ou mochila leve estanque e manter os itens mais sensíveis à água dentro dele, ainda que dentro das mochilas, para evitar desgostos.

Procure mochilas anatômicas, com bom apoio nas costas, e com tiras peitorais e de quadril, que auxiliem na distribuição do peso. Minha mochila cargueiro é uma de 55L da Norte Face, com tecido rip-stop, muito anatômica, e acho o tamanho dela ideal. Maior que isso já se tornaria um estovo para carregar, afinal não sou muito forte. A mochila cargueiro do André é de 65 ou 70L, da Trilhas&Rumos, bem maior, mas fica muito pesada. O bom da um pouco menor é que você se obriga a manter a viagem minimalista, com poucos itens. A minha de trilha é uma de 30L da Quechua (presente de casório lindo!), com um sistema de aumentar a ventilação nas costas, um E.V.A. poroso e bem anatônico, coberto de tecido telado, que faz milagres em dias quentes, evitando aquela sensação de costas cobertas pela mochila. Também temos uma mochila saco-estanque (outro presente de casamento mara!), que ainda não testamos do ponto de vista da impermeabilidade, mas que tem sido muito útil como mochila leve extra, de passeios pequenos, em viagens maiores.

mochila cargueiro

Exemplo de mochila cargueiro (alguns modelos mais novos, como esse da foto, possuem um zíper que dá acesso a mochila como uma tampa, facilitando o acesso as coisas colocadas no fundo). 

mochila trilha passeio

Exemplo de mochila trilha/passeio (essa é quase igual a minha, muda a cor dos detalhes só) 

mochila carteiro

Exemplo de bolsa carteiro

mochila impermeável estanque

Mochila impermeável/ estanque (essa é igual a nossa mesmo) 

mochila saco estanque

Exemplo de saco estanque

mochila capa de chuva

capa de chuva de mochila (tenho igual) – quando for comprar atente que algumas mochilas cargueiro já vem com capa e, se for comprar, elas possuem tamanhos diferentes, baseado nos litros das mochilas. 

Se você for fazer uma viagem internacional, ou nacional longa, coloque todos os itens de viagem, roupas, equipamento, etc na cargueiro e despache, mantenha os eletrônicos, uma troca de roupa emergencial e lanches na mochila de passeio, que vai como bagagem de mão e fica no compartimento superior no avião, e leve os documentos, uma leitura e água na bolsa carteiro, que fica no colo ou debaixo da cadeira em pouso e decolagem. Para chegar e sair dos aeroportos e estações de trem é possível encaixar as três, deixando a carteiro para frente, com fácil acesso aos documentos, a cargueiro atrás, maior peso e você só retira do corpo em caso de pausas longas, e a de passeio na frente, facilmente retirável para conversar em balcões, ir ao banheiro, com os itens que não devem ser perdidos de vista. Assim, você consegue carregar tudo o que precisa, e não briga com carrinhos, não precisa de táxi, e nem sofre com as rodinhas empacando em calçadas de pedra irregulares. Chegando no destino você pode deixar a cargueiro onde estiver hospedado, lembre-se de levar cadeado se ficar em hostels (eu sempre levo um cadeado extra), e utilizar somente a bolsa carteiro, se for fazer passeios urbanos, ou a mochila de passeios, para trilhas curtas de um dia, ou dia de compras (cuidado com as compras em viagem, lembre-se que se estiver mochilando, tudo deve caber nas 3 mochilas na ida e na volta). Aí você me pergunta, mas não fica pesado? Minha filosofia de viagem é: leve o que você consegue carregar. Ande a pé. Se não conseguir carregar é porque está levando mais do que devia. Viaje leve, bagagem leve, alma leve, vida leve.

Se for fazer uma viagem de até 7 a 10 dias, é possível levar só a mochila de trilha e a bolsa carteiro. Leve a roupa e equipamento na mochila de trilha, e um eletrônico leve (notebook pequeno ou tablet), documentos, leitura e água na carteiro.

Quando for fazer trilhas de um dia, leve apenas a mochila de passeio, trilha. Nela você consegue colocar um casaco impermeável, e/ou fleece se for inverno, um óculos de sol, protetor solar, mapa, comida do dia, lanterna pequena, bússola, GPS (caso tenha), máquina fotográfica e água. Evite levar outros itens. Coloque no próprio corpo, bolsos da roupa, cinto, os equipamentos de acesso rápido e constante. Se for época de sol forte, já saia com os óculos de sol e boné ou chapéu, lembre de passar um camada de protetor, mas leve para reaplicar.

Se for fazer trilha em região com lago, cachoeira, praia, leve roupa de banho. Eu não gosto de já fazer a trilha de biquíni, pois normalmente não são tao confortáveis para caminhar, nem dão tanta sustentação nos seios e nem o maior conforto por baixo das calças, por isso prefiro trocar só na hora de nadar. Quando acabar de nadar, troque de volta a roupa íntima seca. Caminhar com roupa de baixo molhada vai te deixar incomodado.

Se for fazer uma caminhada de vários dias, com camping, leve apenas a cargueiro. E seja extremamente cuidadoso com a quantidade de coisas, quanto mais leve melhor, mas não deixe de levar tudo o que precisa. Essa é a bagagem mais difícil de acertar! Encaixe a barraca, saco de dormir e mat na parte baixa e laterais da cargueiro. Dentro coloque as trocas de roupa, evite muitas roupas. Leve 2 calças transformáveis em short (das com zíper), e menos blusas que dias de trilha. Use a mesma blusa por 2 dias se não estiver imunda e lave quando possível deixando secar a noite. Uma legging pode servir de pijama e calça extra em caso de necessidade, inclusive sendo usada por baixo de outra em caso de frio. Roupas íntimas também podem ser lavadas e secarem overnight. Evite peso. Leve um casaco impermeável, e um outro casaco leve se for verão, e fleece se for inverno. Use o mesmo casaco todos os dias. Os demais equipamentos: GPS, bússola, mapa, lanterna, máquina fotográfica vão na cargueiro. Leve toda a comida que for precisar, e uma garrafa de água de o mínimo 1L. Conforme os dias passam o cansaço aumenta mas o peso diminui, conforme você vai comendo!

Para campings fixos, com passeios variados, leve a cargueiro, com tudo citado acima, e adicione a mochila de trilha/passeio. Depois de montar o acampamento, deixe a mochila cargueiro dentro da barraca trancada, ou em local seguro, e leve para os passeios do dia, sejam urbanos ou trilha, a mochila menor, com o que for precisar no dia. Se quiser economizar com a alimentação, use as mesmas dicas da alimentação de trilha para o passeio urbano, comendo apenas lanches leves e deixando para preparar uma refeição no camping a noite.

Sobre o que levar nas viagens:

Se for verão:

  • 2 calças transformáveis (zíper na perna) de tecido bem leve
  • 1 legging (pijama, calça extra pra emergência e pra usar por baixo em caso de frio)
  • 1 short
  • 1 camiseta por dia de viagem (varie entre regata, manga curta e coloque pelo menos uma manga longa leve)
  • roupa íntima para todos os dias, inclusive meias, (lembre de incluir top e calcinhas e/ou cuecas próprias para atividade física)
  • 1 casaco leve
  • 1 casaco impermeável
  • 1 fleece (se for muito friorento, ou tiver receio de a temperatura cair a noite)
  • roupa de banho
  • 1 par de chinelos/sandálias que possam molhar
  • 1 tênis de caminhada/trilha
  • kit pequeno de coisas de banho (use frascos adaptados e reduza a quantidade de produtos)
  • óculos de sol
  • boné ou chapéu
  • protetor solar
  • 1 pescoceira de tecido leve transformável em faixa pode ser útil (serve para proteção do pescoço, rosto, testa ou cabeça, contra sol, vento e poeira)
  • toalha

Se quiser sair a noite (não é meu forte), inclua um par de sandálias ou sapatos mais arrumados e um ou dois vestidos e/ou uma ou duas mudas de roupa de sair, mas lembre-se que quanto mais roupa levar maior o peso nas costas e menor o espaço para trazer coisas de volta).

Se for meia estação (primavera ou outono):

  • 1 calça transformável (zíper na perna) de tecido mais leve
  • 1 calça jeans, ou de um tecido mais robusto ou perlante
  • 1 calça impermeável
  • 1 legging (pijama, calça extra pra emergência e pra usar por baixo em caso de frio)
  • 1 short
  • 1 camiseta por dia de viagem (varie entre regata, manga curta e manga longa)
  • roupa íntima para todos os dias, inclusive meias, (lembre de incluir top e calcinhas e/ou cuecas próprias para atividade física)
  • 1 casaco leve
  • 1 casaco impermeável
  • 1 fleece
  • roupa de banho
  • 1 par de chinelos/sandálias que possam molhar
  • 1 tênis de caminhada/trilha
  • kit pequeno de coisas de banho (use frascos adaptados e reduza a quantidade de produtos)
  • óculos de sol
  • boné ou chapéu
  • protetor solar
  • 1 cachecol ou pescoceira
  • toalha

Se for inverno:

  • 2 calças térmicas justas ( para serem usadas por baixo)
  • 1 calça perlante mais quente
  • 1 calça impermeável (pode ser usada sobre as térmicas e perlante)
  • 1 camiseta por dia de viagem (varie entre térmicas, pra noite e passeios leves e manga-longa dri-fit pra trilhas e atividade física)
  • roupa íntima para todos os dias, inclusive meias longas de inverno, (lembre de incluir top e calcinhas e/ou cuecas próprias para atividade física)
  • 1 casaco impermeável
  • 2 ou 3 fleeces de gramatura mais densa
  • 1 casaco tipo sobretudo (pode ser o próprio impermeável ou um mais quente, de preferencia que caiba sob o impermeável)
  • 1 par de chinelos/sandálias que possam molhar
  • 1 par de botas de neve pra trilha
  • kit pequeno de coisas de banho (use frascos adaptados e reduza a quantidade de produtos)
  • óculos de sol
  • gorro
  • protetor solar
  • 1 cachecol ou pescoceira
  • luvas
  • toalha

Adapte essa lista de itens, reduzindo-a em caso de camping travessia/caminhada de vários dias, no qual tudo vai nas costa sempre. Reduza o número reutilizando as roupas mais dias e lavando quando possível. Quanto a comida, não utilize embalagens de vidro, caso saiba que estará em local sem lixeiras, pois é inconcebível deixar o lixo na natureza, e carregar os vidros vazios é uma carga desnecessária. Nesse caso, opte por embalagens de plastico, que possam ser esvaziadas e dobradas, assim você mantém um pequeno saco de lixo em um dos bolsos externos e pode esvazia-lo quando houver a oportunidade, sem carregar peso além do necessário.

Em caso de camping livre, lembre-se que alimentos e lixo atraem animais selvagens, por isso junte toda a comida do grupo num fardo (saco plástico ou rede) e todo o lixo em outro e pendure em árvores afastadas das barracas. No dia seguinte recolha ambos. Caso algum animal tenha comido, você perde seus alimentos, mas pelo menos evita um ataque a sua barraca e a você.

Evite deixar alimentos dentro da barraca, mesmo em campings fechados. Além do risco de estragar, outros animais podem rasgar sua barraca tentando pegá-los. Se não for possível carregar tudo com você o tempo todo, veja a possibilidade de deixar uma parte na cozinha coletiva, devidamente etiquetado com seu nome, ou em local seguro na sede do camping.

 

 

Sobre as viagens

 

Sempre tive esse coração nômade, minha casa é onde está meu coração (Skank – Nômade)

 

 

Durante minha infância e adolescência viajei com certa frequência, mas para poucos destinos. Eu e minha eterna companheira, minha mãe, dona Bia, viajávamos sozinhas, e com orçamento muito limitado, por isso nosso destino de férias era sempre a casa da família de coração na Bahia. Dona Bia garantia hospedagem e umas boas férias para nós duas, entre primas e amigas, sempre tínhamos companhia.

O cheiro do cuscus amarelinho, com leite de coco tirado do pé naquela manhã, as granolas caseiras, a maresia e as histórias do interior coronelista de Dona Zelita. Assim meus dias começavam a cada férias. O cheiro das algas na praia, as pegadas de tartaruga, a descoberta dos pequenos ovos. Eu não tinha mais do que 5 anos, e falei para minha mãe, com uma certa vergonha, que ela estava precisando de um banho, ao que indignadíssima ela retrucou perguntando se eu achava que aquele cheiro vinha dela. Eu fiquei meio sem graça e assim descobri o sargaço, ou a alga que apodrece na areia.

As conchas bolachas, o salvamento das caravela, o cuidado com os ouriço e a eterna caça aos tatuís. A água de coco, o picolé de acerola, mangaba ou umbu. O suco de mangaba que prega a boca. O bolinho frito de peixe, que na época ainda fazia parte da minha alimentação, e os acarajés ao por do sol. Todos compunham os cheiros, as cores, os sons, e os sabores das minhas férias.

Confesso que a primeira vez que presenciei uma caranguejada fiquei chocada, não quis participar e fui dormir mais cedo. Aos poucos a idade e a banalidade da vida me fizeram entender que aquilo fazia parte das iguarias da praia, mas nunca consegui concordar ou gostar. Os picolés, as frutas e o coco sempre foram mais meus amigos nesse ponto.

 

IMG_2068

 

Uma das melhores partes da praia era a pouca roupa. Nunca fui muito dada às mil camadas de roupas. Até hoje amo um shortinho, e passar a infância só de calcinha de biquíni fez parte. As queimaduras de sol, o ouvido cheio de água e os machucados também. Sempre fui muito desastrada. Mas algumas das melhores lembranças que tenho são do sentimento de aventura.

 

IMG_2067

 

Hoje em dia sei que essa aventura toda tinha muito mais relação com o orçamento limitado da minha mãe do que com um estilo de vida, embora ela sempre tenha sido hippie, e preferisse deliberadamente as cabanas de praia, os bangalôs, as pousadas, as redes na varanda, o chão de areia e as miçangas aos hotéis e resorts. Ouso dizer que havia até um certo ressentimento quanto aos últimos, que geralmente isolam parte das praias como se fossem privadas e cobram pelo uso, o que a deixava louca.

Seja como for, nós pegávamos os vôos da madrugada, porque eram consideravelmente mais baratos e ela não se arriscava a ir de carro sozinha, comigo pequena e o carro velho. Dormimos muito em aeroportos. As malas eram as que sobravam do resto da família. Aqueles sacolões que hoje em dia as pessoas usam para ir à academia, cilíndricos e grandes, com alças curtas e sem estrutura, além da minha fiel mochilinha. Tive a mesma mochila dos 7 aos 28. Isso somado ao fato de que minha mãe sempre levava os próprios travesseiros, então basicamente a imagem era a de uma mulher muito magra e sem força, chutando um cilindro enorme e pesado, difícil de carregar, cheio de roupas e roupas de cama, um travesseiro embaixo do braço, e uma menina muito curiosa, que precisa(va) ir ao banheiro muuuuito mais vezes que o conveniente, de mochila, uma Barbie na mão, um boné e uma garrafa de água, chutando a “mala” toda vez que ela caía no chão. Eramos quase uma trupe de circo.

Toda essa situação fez com que eu me acostumasse desde muito nova a viajar com pouco peso, dormir em aeroportos, portos, trens e ônibus. Sempre ter meu lanche, afinal comida nesses lugares é difícil de achar, cara e pouco saudável, e essas sempre foram três preocupações da minha mãe. Creio que podemos dizer que éramos farofeiras. Que bom! Isso fez de mim uma mochileira sem frescuras!

Além dessas, quase todo ano eu ia a Pirenópolis, cantinho maravilhoso, pertinho de Brasília, onde nasci e cresci. Os banhos de cachoeira, as trilhas, as pedras escorregadias, o sol inclemente nas trilhas longas, o choque térmico entre a temperatura do ar e da água, a seca, os animais, os insetos, as picadas que doíam por dias, os encontros com macacos, cobras, araras, mil outros pássaros, borboletas azuis gigantes (das quais sempre tive medo) e as bananas para os micos. Tudo isso aprendi lá. Foram inúmeras as viagens com primos, amigos, colegas, às vezes com a escola, às vezes com algum tio, e sempre, com quem estivesse indo. Até hoje não perco uma oportunidade.

Outro dia conto pra vocês as especificidades, tipo roteiro turístico mesmo, dessas viagens e localidades. Aqui, hoje, quero só abrir esse espaço, e contar um pouco da minha trajetória de viajante. Ou como sempre, fazer minhas reminiscências! Afinal, as viagens iam além da Bahia e de Pirenópolis. Eu cresci numa casa com um jardim enorme e uma área verde maior ainda. Cheio de árvores, muitas frutíferas, tínhamos amendoeiras e abacateiros, três variedades de manga distribuídas em seis pés, quatro jabuticabeiras, limoeiro, e também pitanga, acerola, amora, ameixa amarela, fruta-do-conde, e lima. Sem falar na erva-cidreira, hortelã, orégano, tomilho e manjericão. Cenoura, alface e couve. E a babosa, hoje conhecida de forma chique como aloe.

 

IMG_2058

 

E nesse jardim incrível eu viajava diariamente. Desde muito pequena, algo como meses de idade, frequentei a piscina e o balanço, fiz minhas festas, tomei banho de mangueira, aprendi a jogar vôlei, e a nadar. Compartilhei esse paraíso com primos e amigos, e muitas vezes, sozinha, com bonecas e livros. Sempre preferi ler em cima da árvore. E tinha minha mangueira preferida, com suas mangas espadas sem fiapo, maravilhosas, de lanche da tarde.

IMG_2057

 

Li O Mundo de Sophia inteiro emaranhada nesses galhos. Chorei todas as dores da adolescência aí também. Aprendi a respeitar os ciclos da natureza e aprendi a conhecer os meus.

 

IMG_2062

 

E ela foi minha companheira por muitos anos, até os 18, quando nos mudamos dessa casa!

 

IMG_2063

 

Seja pela família maravilhosa que sempre tive e que sempre me estimulou a ir mais longe e a sair para o mundo sempre, seja pelo orçamento restrito ou pela origem hippie, seja pela curiosidade intrínseca. Acabei mochileira. Ficou o amor intenso por explorar o mundo, por ir em busca do desconhecido.

Espero poder compartilhar outras viagens aqui. Algumas conterão mais memórias, reminiscências, outras serão relatos mais práticos.

Gostaria de ressaltar que essas fotos são do meu aquivo pessoal, tirei fotos das fotos, e a opção por não editá-las e deixar como foto de foto é uma opção consciente. Como se estivesse apenas colando recortes em meu diário. Sintam-se convidados a ler um diário pessoal e a conviver com um estilo pessoal.

Não inseri créditos pois não sei quem foi o fotógrafo de todas. Algumas foram tiradas pela minha mãe, outras por mim, outras por amigos, e familiares. Alguns mais profissionais e talentosos outros menos. Bem vindos a mais uma janela do meu mundo! E vamos viajar juntos!

 

IMG_2059