Road trip de Julho – França e Itália (Parte 1)

Fizemos nossa maior roadtrip até agora no mês passado! A viagem foi realmente longa, mas alguns dos trechos já foram abordados em outros posts, além disso parte da experiência será relatada pela Ju, o que reduz a quantidade de coisas que eu terei para relatar. O que é bom, porque é bastante coisa mesmo!

Com a visita de duas amigas (Olá, Pietra e Clara!) saímos de La Seu no começo do mês, passamos por Ariège (o que já relatamos), fomos parando em algumas cidades até as Gorges du Verdon, onde ficamos mais tempo, e de lá fomos até a toscana, onde as moças seguiram para Roma e nós para Veneza. Cruzamos o norte da Itália de volta para Oeste e atravessamos o meio da França, por Lyon e Brive la Gallairde, onde fizemos um desvio para Sul até chegarmos novamente na Catalunha! Ufa! Os detalhes dessa viagem virão entre esse e os próximos posts, com calma.

Vamos começar com o caminho de Ariège até o Verdon, pois vimos muitas coisas em apenas 1 dia de viagem. No dia anterior a este já tínhamos saído de La Seu e andado um tantinho, mas nada que se comparasse ao que viria pela frente. Tínhamos acampado na cidade de Pamiers, um pouco ao norte de Foix, e saímos de lá ainda antes do sol nascer. A primeira parada foi em Carcassone, para as meninas conhecerem. Já relatamos aqui também. Dali, por falta de tempo, ignoramos outras cidades que gostaríamos de ter parado e fomos direto até Nimes. Lá visitamos o centro da cidade brevemente.

O local surpreendeu positivamente. De uma cidade que eu sabia somente da existência, fiquei surpreso com a quantidade de coisas para se ver. O parque central da cidade, chamado Jardins de la Fontaine, possui um templo de Artemis/Diana muito bem preservado, para os padrões modernos, e aberto à visitação gratuita. É uma Deusa pela qual eu tenho alguma simpatia, então foi uma experiência bem interessante poder adentrar o local e pensar em tudo que já deve ter passado ali, milênios antes! No mesmo parque, subindo uma encosta, é possível encontrar também uma torre romana, essa sendo paga a visita. Não tínhamos tempo nem dinheiro para tal, mas imagino que a vista lá de cima deva ser impressionante. O parque em si também é muito bonito e agradável, com largos poços de água onde há carpas e amplos espaços abertos ou bosqueados. Fomos até uma região próxima do parque, onde pudemos ver um outro templo romano, este em perfeitas condições, chamado Maison Carrée hoje em dia. Também vimos a Arena da cidade de fora, de tamanho impressionante e também de construção romana.

De Nimes seguimos até a Pont du Gard, um local que eu desejava conhecer há muito tempo, e que finalmente tive a oportunidade. O tamanho e o estado de conservação deste aqueduto romano são únicos, tanto que é patrimônio da humanidade. O local também ajuda muito, um rio largo de águas cristalinas. Os moradores da região se juntam neste local para nadar, remar, fazer pique-nique ou simplesmente relaxar. O contraste do uso com o grau de conservação ajuda a entender os motivos pelo qual a França é um país de tão boa qualidade de vida. Eles sabem cuidar do que tem… Também vimos um museu muito bem construído, relatando o processo de construção do aqueduto, demosntrando o sistema do qual ele faz parte, que conta com uma série de outros aquedutos menores, e com detalhes da vida romana e da importância da água na sociedade deles. Imperdível!

Dali seguimos até Avignon, outro local que eu sonhava visitar. E novamente meus sonhos foram correspondidos pela expectativa. Apesar da cidade estar muito cheia, pois era o dia da Bastilha e haveria show de fogos a noite, conseguimos parar em um local mais afastado e caminhar até a cidade velha. Tudo aqui remete aos campos de lavanda da região ou à história da igreja católica e do Cisma do Ocidente, quando a autoridade romana foi desafiada por um segundo papa residindo nesta cidade. De fato, as estruturas eclesiásticas são imensas e muito bem cuidadas. Há um parque em cima da colina da cidade, junto a tais estruturas, que dá uma vista para as regiões em volta, incluindo o rio imenso que forma uma ilha junto ao centro velho. Uma pena que não tivemos oportunidade de explorar mais o local, mas fica a recomendação para quem se interessar por história!

Deste ponto, já cansados, passamos de carro por Gordes, uma cidadezinha pequena e muito bonita, na encosta de uma colina dentro do Parc Régional du Luberon. Legal de ver para quem esteja passando, mas não acho que vale a pena fazer grandes desvios. Dali passamos a nos concentrar na estrada, pois já era tarde e ainda estávamos longe do camping. Conseguimos chegar em Castellane, 162km de distância dali, somente 20 minutos antes do camping fechar! O trecho final de estrada, com as montanhas à noite, foi um razoavelmente cansativo, mas ainda estávamos com energia para a estrada!

Nos próximos posts falarei sobre o que vimos na região do Verdon e depois falaremos sobre a Itália, mas já fica a nota de quanta coisa romana vimos nessa região do sul da França, muitas delas em perfeito estado de conservação.

DCIM100GOPRO

Pietra e Clara nas frente da Caverna de Niaux. Elas fizeram a visita por nossa recomendação. para saber mais sobre a caverna, visite os posts sobre Ariège!

DCIM100GOPRO

Templo de Diana/Atemis em Nimes.

DCIM100GOPRO

DCIM100GOPRO

Parque em Nimes.

DCIM100GOPRODCIM100GOPRO

DCIM100GOPRO

Torre romana em Nimes.

DCIM100GOPRODCIM100GOPRO

DCIM100GOPRO

Templo em Nimes.

DCIM100GOPRO

Catedral em Nimes.

DCIM100GOPRO

Arena de Nimes.

DCIM100GOPRO

Aqueduto de Pont du Gard.

DCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRO

DCIM100GOPRO

Avignon

DCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRO

mapa 1

Mais fotos e vídeos na fã page do Facebook!

 

Ariège (Parte II)

No segundo dia nosso grupo se viu reduzido, já que o Picot não tinha permissão para entrar em algumas cavernas. Felizmente a moça que nos hospedou era muito amistosa com os cães e ele ficou muito bem cuidado! Seguimos direto para Mas d’Azil, onde uma caverna de proporções absurdas serve também como túnel para acessar a vila! O complexo dessa caverna é usado desde sempre, mas alguns trechos mais isolados só foram explorados nos últimos 150 anos aproximadamente. Então é possível atravessá-la de carro, mas também entrar em uma área de exposição com um berçário de morcegos, crânios de ursos das cavernas e depósitos de ossos de rena caçadas por grupos de humanos que viveram ali uns 12.000 anos atrás!

Nessa caverna eles fizeram também um incrível jogo de luzes junto com o Réquiem de Mozart, dando um tom bem artístico para esse local. A visita certamente vale muito a pena, apesar de ser a mais isolada das cavernas que visitamos. O guia, que havia começado naquele mesmo dia, se esforçou para explicar algumas coisas em castelhano. Ele também parecia bem empolgado com o trabalho de temporada (no verão as visitas bombam!)! Fomos ao museu na vila de Mas d’Azil, mas este local é bem pequeno e com poucos artefatos. Ainda assim, o preço também é incluído na visita a caverna e não custa nada ir dar uma olhada nas miçangas mais antigas que eu já vi! Também tem algumas agulhas de ossos e eu fiquei bastante impressionado em como os humanos pré históricos eram de humanas…

Demos a volta no departamento de Ariège para pegar o tour das 13h30 na Grotte de Niaux, certamente a mais famosa de todas as cavernas. Aqui a visita é toda diferente. As proibições de não encostar em nada são as mesmas, mas a ênfase é consistentemente mais forte. Também possuem um tour por dia em inglês (não mais para não mimar os turistas!) e uma estética de visita que dá a sensação de exploração real, com lanternas para todos os visitantes e disciplina quase militar na hora de caminhar. Tudo isso é justificado pela raridade que se encontra lá dentro: Pinturas rupestres!

Uma abertura artificial foi feita nessa gruta, pois a original é muito estreita e de difícil acesso. Mas depois de um entrada semelhante a de um bunker, a caverna fica toda natural e muito, muito escura. Diferente da primeira que visitamos, essa possuía algumas estalactites, já que na primeira a água não infiltrava e nessa sim. Niaux também faz um corredor relativamente estreito, baixo e longo, quando comparada a Mas d’Azil. Depois de 800m de caminhada, com direito a passagens espremidas por sob pedras desabadas, chegamos em um salão onde se encontram as tais pinturas. São muitos bisões, cavalos e cabras montanhesas, mas curiosamente só isso. Não se sabe porque outros animais não foram representados, ou mesmo humanos, plantas, elementos geográficos ou astronômicos. Também não foram encontrados traços de habitação ou de entrerros lá dentro. Exitem teorias e tal, mas claro que eu e a Ju criamos as nossas, muito boas por sinal!

O que pensamos é que aquela caverna era específica para ritos de passagens, e as pinturas poderiam ser representações totêmicas de força, velocidade e sagacidade daqueles animais que os jovens pretendiam absorver. Exite uma distância de mil anos entre as primeiras e as últimas pinturas, e se eles fizessem isso frequentemente certamente faltaria parede! Discutimos muito sobre a constituição das sociedades antigas, o que fazia sentido naquelas tribos e os resquícios que seguem com a humanidade até hoje. Ou seja, uma conversa do nosso dia-a-dia. Depois disso voltamos para reencontrar o Picot, pois já estávamos com saudades!

No terceiro e último dia fomos de novo na caverna de Lombrives, e dessa vez pegamos ela aberta! Pegamos o primeiro tour e por causa de um trânsito massivo na estrada, fomos os únicos visitantes daquele horário. A guia também estava no primeiro dia e falava um bom castelhano, então pudemos aproveitar muito bem a visita. Para constar, o Picot tinha permissão para entrar nessa caverna e ele parece ter se divertido muito, apesar de ter ficado o tempo todo preso na coleira para não destruir o ambiente.

Essa caverna é a maior da Europa em volume, mas existem outras mais compridas, mesmo considerando os 7km dessa. A quantidade de estalactites, estalagmites e colunas supera as outras duas em peso, com formações imensas e abundantes! A proximidade do vale principal, aliado a entrada imensa da caverna, fez com que o local fosse usado diversas vezes em sua história para atividades bastante humanas, como falsificação moedas ou esconderijo de ladrões. Também houveram reuniões de cátaros, e até hoje algumas pessoas “peregrinam” até ali. No meio do tour, chegamos em um salão absolutamente gigantesco, com uma iluminação indireta muito bem feita que aumenta o esplendor do local e o assombro que sentimos ao entrar ali.

Do outro lado desse salão, escalamos umas escadas e rampas molhadas e saímos em um túnel mais elevado. As formas das pedras variavam muito e deram origem à diversas lendas daquele local. Paramos junto a um lago subterrâneo, pois a partir dali a caverna só é aberta para estudos. Fizemos 1km dos 7km totais, e só isso já me fazia ter um certo medo de que toda a iluminação falhasse. Seria quase impossível voltar por conta própria a entrada…

Essa foi nossa última visita em Ariège, e certamente a região causou boa impressão, apesar do despreparo dos franceses em receber estrangeiros… A região é rica em história de vários períodos distintos e marcantemente bonita pela natureza local. Recomendamos fortemente para aqueles que tenham a chance de dar uma passada!

Para mais sobre o que é um Urso das cavernas e sobre arte rupestre, veja os links.

DCIM100GOPRO

Entrada da Grotte du Mas d’Azil

DCIM100GOPRO

Grotta-Azil-2

Mas d’Azil (fonte: google images. Não é permitido fazer fotos durante a visita).

DCIM100GOPRO

Entrada da Grotte de Niux

DCIM100GOPRO

grotte_niaux_grand_-site__ariege

Niaux (fonte: google images. Não é permitido fazer fotos durante a visita).

Grotte-de-Niaux_510x224

Niaux (fonte: google images. Não é permitido fazer fotos durante a visita).

DCIM100GOPRO

Entrada da Grotte de Lombrives

DCIM100GOPRO

obs: com a go pro, sem flash, minhas fotos ficaram horríveis, mas coloco três delas aqui só pra vocês terem uma ideia.

DCIM100GOPRODCIM100GOPRO

lombrives

Lombrives (fonte: google images. Aqui era permitido fazer fotos, mas faltou flash e competência)!

grotte-de-lombrives_4fd0a6e68d01a

Lombrives (fonte: google images. Aqui era permitido fazer fotos, mas faltou flash e competência)!

Lombrives-17-vestibule-2

Lombrives (fonte: google images. Aqui era permitido fazer fotos, mas faltou flash e competência)!

Ariège

Ariège – 4, 5, e 6 de julho.

Essa foi uma viagem que, apesar de que já estava planejada há algum tempo, estava parada esperando uma oportunidade. E finalmente a oportunidade veio! Tivemos a boa surpresa de que minha mãe perderia algum dinheiro no Airbnb e por isso nos disse que poderíamos usar dentro de um prazo curto, caso quiséssemos. Veja que a surpresa foi boa para nós, não para minha mãe, claro!

Pegamos nosso pequeno projeto e botamos em prática. Encontramos um lugar mais afastado e mais barato pra ficar, em uma vila entrando pelo parque natural da região (Parc naturel régional des Pyrénées Ariégeoises), e montamos o nosso roteiro. Infelizmente a caminhada que fizemos no dia anterior exigiu muito de nós e não pudemos aproveitar tanto quanto queríamos, mas ainda assim cumprimos todos os pontos importantes da região. Pegamos a estrada que passa por Puigcerdà e de lá seguimos na direção de Foix. A primeira parada foi pouco antes de Tarascon sur Ariège, para a grotte de lombrives. Infelizmente o horário que queríamos tinha sido cancelado e decidimos voltar depois.

Fomos então para o Chateau de Montsegur, sobre o qual já tínhamos lido muito, e estávamos bem empolgados! A subida da montanha onde o castelo se encontra, aliada ao calor, derrubou um pouco a empolgação, mas ainda assim a mistura de história e de uma vista absolutamente magnífica fez tudo valer a pena. Também paramos na vila ao lado para ver o museu sobre o castelo, onde aproveitamos para fazer um lanche.

O castelo foi o último reduto cátaro a cair para a inquisição. Não é um local grande, mas é certamente bem defendido. Ainda assim, os católicos tomaram a cidade em 1244 depois de 9 meses de cerco e levaram à fogueira os habitantes da cidade em uma área conhecida como Campo dos Queimados. Tudo isso para que eles entendessem a mensagem de amor de Jesus… Ver os restos da fortificação, o caminho para chegar até lá e o campo onde ocorreu essa atrocidade foram bastante marcantes, eu fiquei imaginando as cenas de horror que já haviam passado por ali e fiquei bastante feliz que mais de 6 séculos nos separavam, apesar de saber que em muitos lugares coisas de mesmo nível ainda ocorrem…

O museu possui elementos do dia a dia dos habitantes da época, um vídeo muito interessante sobre as construções na época e como eram feitas, um casal de esqueletos com marcas de ferimentos e uma das poucas atendentes da região com um inglês de bom nível. Vale a visita, ainda mais considerando que o preço já está incluso na entrada para o castelo!

Saindo de Montsegur, passamos em Roquefixade, onde há outro castelo, mas a visão da subida nos intimidou, considerando o estado lastimável que já estávamos, e seguimos direto para Foix. Valeu a pena para ver a vila em si, que é um misto de casas cuidadosamente reformadas e ruínas desmoronando. O lugar da vila também vale a visita, junto a um paredão de pedra de tamanho colossal.

Em Foix, demos uma volta pelo centro, que é bastante cosmopolita, contando inclusive com um restaurante brasileiro chamado Beija Flor, cuidado por um soteropolitano muito simpático! Infelizmente não voltamos para provar a comida, por dificuldades com o horário mesmo. Mas o que atrai na cidade é seu castelo, também no topo de uma colina. Este está maravilhosamente preservado e conta com 3 torres cercadas por uma forte muralha. As salas dentro e sob as torres foram convertidas em locais de exposição sobre a história da região. Infelizmente, muito pouco pode ser encontrado em outra língua que não o Francês. Com essa visita terminamos o primeiro dia e seguimos para nossa acomodação.

Link para ler mais sobre a história local e o catarismo!

DCIM100GOPRO

Chateau de Montsegur

DCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRO

DCIM100GOPRO

Chateau de Foix

DCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRO

DCIM100GOPRO

Foix

DCIM100GOPRODCIM100GOPRO